Comi a Mulher do Investigador da Polícia Civil

Ouça este conto erótico narrado:

Disponível apenas para assinantes! Assine Já
Bom, tudo começou há 1 ano. A casa ao lado da minha foi alugada à uma família de 3 pessoas; o sr. Fernando, Dª Patrícia e Carol, a filha do casal, que vieram a se mudar no final de 2003.
Eu estava estudando para o vestibular sentado embaixo de uma árvore conhecida como chapéu-de-praia, que encontra-se na calçada oposta da minha casa, quando avistei dobrando a esquina um caminhão de mudança, logo pensei: deve ser alguém que alugou a casa ao lado, porque semana passada retiraram a plaquinha de aluga-se, foi batata, o caminhão veio devagar encostando ao meio-fio, um caminhãozinho vermelho, pelo jeito deve ter rodado muito pelas estradas da vida, devido ao seu estado de conservação! Fiquei lendo e às vezes dava uma olhada pra ver quem eram os novos vizinhos. Enquanto eles retiravam as coisas de cima do velho caminhão, pude observar que até o presente momento eram 3 pessoas: o motorista do caminhão; o ajudante e mais um homem meio gordinho, tipo barril de chopp. O motorista era meio baixo, magrelo e usava uma calça que aparecia sua bunda toda vez que se abaixava, e uma camisa listrada do tipo “Cornão”; já o ajudante usava uma bermuda toda encardida e uma camisa do Flamengo toda surrada, foi isso que me levou à dedução de serem os responsáveis pela mudança.
O outro homem que também estava ajudando já era diferente, usava uma calça Jeans preta e uma camisa social azul-marinho; até aí fica difícil de saber quem era quem, mas tive a confirmação quando ele veio a atender o celular, pude ouvir sua conversa e então tive a certeza que ele era o inquilino. Durante a conversa ele dizia: Já estamos quase terminando de descarregar as coisas, faltam somente os maiores, mas logo logo terminaremos… Faz o seguinte: deixa a Carol com sua mãe e depois vem pra me ajudar a arrumar os móveis dentro da casa ok… Um beijão mor, eu te amo. Neste momento pensei, tomara que seja uma mulher bonita e gostosa, pelo menos assim poderei espiá-la do meu quarto através da fresta da janela. É que já havia feito isso com a filha do outro inquilino, pois, minha casa é um sobrado e meu quarto é o último da casa, ficando no andar superior, que tem uma visão privilegiada do quintal do vizinho.  O caminhão terminou de descarregar a mudança, isso já devia ser umas três e meia da tarde, o dia estava lindo com céu azulzinho, sem nenhuma nuvem, um dia típico de verão. Após receber o frete o motorista entrou no caminhão, colocou o cinto de segurança e deu partida no velho motor que fez um enorme barulho – parecia uma bateria de escola de samba -, ao sair deu uns trancos, mas seguiu em frente. Após o caminhão se distanciar, o inquilino pegou o celular e fez uma ligação – que provavelmente deveria ser para sua esposa -, mas não consegui ouvir porque o mesmo estava caminhando em direção ao corredor da casa.Eu, como sempre, já fiquei imaginando a nova vizinha, como seria ela tomando sol no fundo do quintal só de tanguinha ou às vezes nua, hum! Quantas vezes bati punheta olhando pela fresta da janela, imaginando possuir todo aquele material na minha cama e…
Fiquei até quase às 5 horas lendo. Depois entrei e fiz café, mas percebi que não tinha pão, então resolvi ir até a padaria que fica na esquina do quarteirão. Quando estava abrindo o portão vi um Punto preto com os vidros escuros encostando ao meio-fio, logo pensei, quem será que é? Nem imaginei que fosse a tal vizinha, aproveitei e deixei o dinheiro cair no chão, só pra ganhar tempo, dei uma enrolada, é claro. O carro veio bem devagar e encostou na frente da casa que estava com o portão aberto, nessa hora é claro, comecei a procurar a chave pra trancá-lo só pra poder ver se a vizinha era boa ou não. Putz! Não acreditei quando vi aquele avião Boeing 747. Lembro perfeitamente a primeira vez que a vi: ela abriu a porta e desceu; pude ver aqueles cabelos longos, pretos encaracolados até a cintura, quando ela virou o rosto olhei sua boca carnuda, com lábios grossos tipo da “Cicarelli”, nossa já pensei nela me fazendo uma gulosa, neste instante meu pau já endureceu. Seu rosto era muito bonito e parecia uma bonequinha, um rostinho branquinho; mas não vi seus olhos devido ao óculos que usava. Mas fiquei mais louco ainda quando vi seus peitos, nossa que delícia; neste dia ela estava usando uma blusinha de crochê toda furadinha e com um decote que… Meu deus, só de lembrar fico excitado. Os peitinhos de tamanho médio, durinhos, tipo olhos de siri, os biquinhos rosadinhos! A barriguinha então nem me fale, tipo tanquinho, com uma pelugem loirinha que começa no umbigo e ia até na xoxota… Um mau caminho de mulher. Após fechar a porta, ela deu a volta no carro e foi em direção ao portão e eu continuei a procurar a chave pra trancar o portão, fiz isso só pra ver o resto daquela máquina. Quando ela ficou de frente comigo tive a oportunidade de ver o monumento, ela vestia uma sainha bem curtinha branca com uma calcinha da mesma cor, dava perfeitamente pra ver aquela bucetona enorme (é que ficou meio transparente a saia com a calcinha), que pelo pude perceber estava toda raspadinha, suas coxas eram grossas – ela tem um corpo parecido com a da Dançarina do Tchakabum. Não acreditei naquilo, meu pau latejava de loucura, louco pra meter, mas me segurei e disfarcei pra não dar na cara. Ela educadamente me cumprimentou com um Boa Tarde! E claro, respondi todo sorridente Boa Tarde!Ela entrou rapidamente, não perdi tempo, fechei o portão e passei em frente da casa só pra ver o seu traseiro, e que traseiro! Ela rebolava gostoso, parecia que estava vendo que eu a olhava com um enorme desejo de possuí-la, meus pensamentos estavam a todo vapor só imaginando eu metendo naquela rabão gostoso… Com o passar do tempo fomos adquirindo amizade,e, todas as vezes que ela me via, eu percebia que era um olhar meio diferente, sabe aquele olharzinho sacana? Então, esse tipo de olhar. Eu que não sou bobo estava sacando e preparando pra dar o bote. O seu marido era uma cara muito gente boa, gente fina mesmo, nós trocamos maior ideia. Ele era jovem, tinha 32 anos e ela 24, uma ninfetinha!!! Depois de alguns meses de amizade ele me disse que era investigador da civil da 6º delegacia da cidade em que moramos. Bom, eu já fiquei esperto, pois ele só andava armado, e outra, arrumar confusão com policial é a pior bosta que tem, ainda mais civil. O tempo foi passando e toda vez que fazia calor eu ficava de olho na janela – na fresta -, e por muitas vezes pude contemplá-la tomando sol no quintal, ela sempre usava um mini biquíni, nossa quantas vezes eu bati punheta pensando nela… Ela fazia de sacanagem, ficava num local que dava perfeitamente para eu observá-la, por várias vezes a vi de pernas abertas em posição de frango… Acho que já havia percebido que eu a olhava da janela, pois, certa vez ela me perguntou se eu nunca tinha visto ela tomando sol no quintal, e, é claro que respondi que não, que nunca vi, mas deixei escapar um sorrisinho bem sacana e foi a partir daí que ela começou a tomar sol com maior frequência. Tive a grande oportunidade de vê-la fazendo “Top-Less”, nossa que peitinhos! Até que um dia eu dei uma vacilada, isto ocorreu numa 3º feira, estava um dia de muito calor; ela depois do almoço foi tomar sol, só que desta vez nua, peladinha. Não aguentei e comecei a olhar pela fresta e passei a bater punheta pensando no material, fiquei ali por alguns minutos loucos de tesão, me segurava para não gozar, ela deitada de barriga pra cima com as pernas abertas com a bucetinha raspadinha, toda vermelhinha, inchada, uma loucura, continuei a bater punheta, mas como não sou de ferro acabei gozando, o tesão era tanto que deixei escapar alguns gemido e nisso ela ouviu, mas continuou na mesma posição.
O primeiro jato foi todo na parede, quando vi aquilo me virei um pouco tentando evitar que manchasse a parede branquinha, já o segundo espirrou na minha cama sujando o lençol, como já tinha sujado mesmo gozei mais um pouco em direção à cama; tive que trocar o lençol e limpar a parede antes que secasse o meu leitinho. Foi a partir daí que começou a mudar a nossa relação de amizade para de sacanagem. No final da tarde quando estava indo na padaria eu acabei cruzando com ela na frente da casa dela. Ela estava usando uma calça de lycra daquelas que usam pra fazer ginástica e um tops pretinho que deixava toda aquela barriguinha de fora, como sempre a cumprimentei e ela me abriu um sorriso maravilhoso e disse: você estava me espiando hoje à tarde quando fui tomar sol no quintal?
– Na hora fiquei meio vermelho, mas sai bem dizendo: não, claro que não Dª Patrícia, é que… foi… eu fui abrir a janela do meu quarto mas aí sem querer eu a vi lá no fundo e… sabe como é né! Dei só uma olhadinha; mas só um pouquinho. Mas não fico espiando a senhora lá não.
– Então ela me perguntou “Tem certeza!? Eu escutei alguns gemidos depois, acho que você ficou sim e aproveitou pra se masturbar, não foi isso que aconteceu?” – Respondi todo sem jeito, não, claro que não, de onde a senhora tirou isso?
– Que isso, não sou tão boba assim! Eu já percebi que você fica me olhando da janela quando vou tomar sol e não adianta negar, eu já vi você pelo vãozinho da janela.Putz, na hora não consegui nem falar nada, não tinha nem o que dizer. Mas fui cara de pau, e disse: é verdade mesmo Dª Patrícia, já vi a senhora lá no fundo, mas foram só 2 vezes… e… olhava só por alguns minutos…
– Ela deu um sorrisinho bem sacana e falou: eu sabia, mas pode ficar sossegado porque eu não ligo, e também não vou contar pro meu marido sobre isso, se não contei até agora, porque contaria? – Aí percebi que ela gostava da ideia, resolvi dar uma indireta pra ela e falei: É uma pena que fico só olhando né, ou como diz um velho ditado “Como com os olhos e lambo com a testa!” – Não acreditei no que ela respondeu.
Podemos conversar melhor se você quiser, semana que vem meu marido vai ficar de plantão e eu fico a noite toda sozinha, se você quiser ir lá pra conversarmos. Putz! E agora. Eu pensei! “se eu for lá, vou poder meter naquela gostosa, mas se o marido dela chegar e pegar a gente no flagra”?
Respondi a ela que iria. – Ela me disse na cara de pau; então você pode ir na 2º Feira ok, mas não fique batendo punheta pra mim, guarde suas energias pra 2ª… Respondi com uma pergunta. – Como irei entrar na sua casa e que horas?
– Quando for 7 horas ele sai pra trabalhar aí eu te chamo lá pelas 11:30 Hs, fica esperto que vou chamá-lo na janela tá bom! Disse ela.
Passei o final de semana pensando, mas me segurava pra não bater punheta. Este final de semana foi o mais longo da minha vida, parecia que o dia não passava, a ansiedade era tanta que só de ouvir a voz dela já ficava com o pau duro. Foi foda, mas me segurei…
Quando foi na 2º feira de manhã, por volta das 11 horas, eu saí e dei de encontro com ela varrendo a frente da casa, e como sempre cumprimentei-a, e recebi um sorriso como resposta. Mas o que eu não esperava é que ela me perguntasse? Você tá preparado pra hoje?
– Retruquei que sim, e que estava contando os minutos até chegar a hora. Fiquei a tarde toda pensando, estava muito impaciente, louco pra fuder aquela gostosa, toda hora olhava o relógio; a frestinha da janela; saía na frente de casa; ou seja, fiquei prá lá e pra cá andando que nem uma barata tonta. As horas foram passando, quando foi 7 horas escutei o barulho do portão da casa dela se abrindo, logo, em seguida o barulho de motor de carro sendo ligado. Fui até o quarto dos meus pais e abri um pouquinho a janela para ver se o marido dela estava saindo mesmo, pude ver quando ele estava destrancando o portão e que usava uma camisa preta escrita POLÍCIA CIVIL – ENTORPECENTES, isso me deu um friozinho na barriga, uma sensação de perigo, pois se ele desconfiar de algo e voltar, hum! Tô fudido. Vi quando ele tirou o carro da garagem e colocou-o estacionado na frente, logo, desceu, fechou o portão e entrou na casa, fiquei ali quietinho tentando ouvir o que eles estavam conversando, não pude escutar nada.
Ele permaneceu ali por uns 5 minutos e depois saiu, observei quando colocou um pente de munição na pistola cromada e fiquei imaginando o que iria acontecer se ele me pegar com sua mulher, com certeza aquela pistola seria usada em seu favor… Continuei ali quietinho só olhando pelo vãozinho da janela.

Fernando entrou no carro e saiu rapidamente, ouvi o cantar dos pneus, parecia que estava nervoso e isso me deixou com mais medo ainda, nunca se sabe a reação de uma pessoa, ainda mais quando está sendo traída]… Voltei ao meu quarto e liguei a televisão pra passar o tempo, de repente alguém me chamou: Leandro; Leandro; – peguei o controle remoto e abaixei o volume da TV e ouvi outra vez: Leandro; Leandro. Então me levantei e olhei pela janela, quando vi não acreditei: ela estava no quintal me chamando, levei um susto, não faziam nem 10 minutos que o Fernando havia saído; abri a janela pra ver o que era, foi quando ela me disse: Olha, quando for 11 horas mais ou menos eu te chamo ok! Primeiro vou fazer a minha filha dormir e assim que conseguir eu venho aqui e te chamo tá! Mas fica esperto porque vou chamar uma vez só tá bom, não vejo a hora de… nós dois… você sabe né…. Putz, fiquei muito excitado, meu pau latejava de tanto tesão, era um tesão que nem dá pra explicar como é, sabe! Senti que meu pau já tava num pré-gozo, soltava um liquidozinho melado. Voltei à minha cama com o pau duro, fiquei ali deitado com um enorme tesão, sentia meu pau pulsar, ou melhor bater que nem um coração, não aguentei e tirei o short, o menino parecia um estaca, tava durinho, enorme, fiquei pensando nela e brincando com meu pau, hora colocava a cabecinha pra fora, hora pra dentro, na verdade tava batendo uma punhetinha só pra passar o tempo, mas devido ao tesão que me encontrava em questão de 1 ou 2 minutos estava quase gozando. Assisti a todos os programas da TV, até as novelas. Quando foi chegando 10; 10:30 foi me dando um friozinho na barriga, um calafrio, putz! Sabia que era loucura, mas estava disposto a correr este risco. Deixei o volume da TV bem baixinho, pra poder ouvir ela chamar, sorte minha, porque, quando foi 10:55 hs ela me chamou uma única vez. Me levantei rapidinho, abri a janela e vi ela me fazendo sinal com a mão me chamando, aí eu fiz um sinal de jóia pra ela e obtive o mesmo. Saí do meu quarto como se não estive ocorrendo nada de anormal, ao passar em frente da porta do quarto dos meus pais, pude perceber que eles já estavam recolhidos e isso me ajudou muito, desci a escada e fui até a cozinha, abria a porta e saí. Para disfarçar, fingi que estava colocando ração pro cachorro. Rapidamente peguei a escada que estava encostada na parede e coloquei-a no muro no corredor próximo a parede da cozinha porque ali estava escuro e se alguém passasse na rua não notaria nada. Tava um tempo quente, um maior calorzão, eu vestia um short calção – desses de jogador de futebol -, e uma camiseta regata. Após colocar a escada no muro, comecei a subir e a cada degrau me dava um gelo na barriga e um medo, porém, um tesão fudido devido ao risco, acho que o medo de ser pego deixa qualquer um louco. Ao terminar de subir, pude ver ela abrindo uma escadinha de 5 degraus  (essas de uso doméstico que se abrem feito um V ao contrário), ela encostou a escada próxima ao muro, aí ficou fácil, só apoiei a mão, passei o corpo por cima do muro e apoiei os pés na escada dela. Comecei a descer bem de boa pra não fazer barulho, é claro. O local estava um pouco escuro, só tinha uma luz acesa na varanda da casa dela e o foco de luz era muito fraco. Ao descer a escada meu pau já estava duro e bem visível devido ao short não ter cueca, quando desci a escada ela já me agarrou e começou a me beijar loucamente, meu pau esfregava nela bem gostoso.

Ela usava um shortinho branco, sem calcinha e uma camiseta sem nada por baixo também. Não aguentei e a encostei no muro, ali mesmo no corredor, e a beijava bem gostoso, mordia seus lábios carnudos, sentia aqueles peitinhos durinhos esfregando em mim. Então comecei a esfregar meu pau na bucetinha dela por cima do short, já que meu pau encontrava-se pra fora, pois, não usava cueca… Nisso ela começou a morder meu pescoço e foi descendo me mordendo, foi indo até chegar no meu pau, só que ela não tirou o short, ela só puxou de lado (como se fosse uma calcinha) e ao vê-lo meio no escuro ela disse: nossa, você tem um pinto bem grandinho hein! Vou brincar com ele bem gostoso, mas não goze na minha boca, pois, quero me foda todinha hoje… Aí ela me disse logo em seguida: sente-se aí na beira do degrau da escada. Eu me sentei, ela veio e abriu minha perna e puxou o short novamente de lado, nisso meu pau já pulou pra fora, aí ela começou a chupar minhas bolas bem gostoso, com uma das mãos ela me punhetava e isso me deixava louco de tesão. Nossa, olhava ela chupando minhas bolas com tanta vontade, que só de lembrar já fico tarado. Depois de chupar as bolas ela enfiou quase tudo na boca e chupou-o como um pirulito, lembro-me perfeitamente dela sugando com força. Eu gemia bem baixinho, devido a estarmos no corredor da casa, e isso me deixava mais excitado ainda. Como estava prestes a gozar, segurei sua cabeça que subia e descia bem gostoso no meu pau, e falei: pare um pouco senão gozarei. Nisso ela parou e me olhou e disse: hum, gostaria que você gozasse. Mas hoje não. Quero meter até você não aguentar mais e pedir pra parar. Nisso ela se levantou e começou a me beijar novamente, meu pau continuou pra fora do short, senti quando ele esfregou naquela bucetinha que estava toda melada, o shortinho estava grudado no melado dela. Então me levantei e falei: agora é sua vez de sentar na escada. Ela não hesitou. Eu abri suas pernas e fiquei em pé, beijando-a arduamente, nossas mãos corriam soltas pelos corpos que já estavam todo suados por causa do calor que estava fazendo; comecei a tirar sua camiseta bem devagar, após retirá-las comecei a chupar os biquinhos bem devagar, e isso a deixava louca de tesão. Enquanto isso, puxei seu shortinho de lado e fiquei brincando com o seu clitóris, nisso ela gozou rapidinho, foi a primeira gozada, logo, fui mordendo bem devagar o biquinho esquerdo do peitinho e depois mordi a parte de baixo, ou seja, o peito todo, e fui descendo mordendo sua barriguinha. Mas o que a deixou com muito mais tesão era mordê-la nas costelas, percebi isso quando estava descendo em direção à sua xana, aproveitei e mordi bem gostoso a levando ao delírio. Fui descendo passando pelo umbiguinho , onde pude brincar mais pouco e acabei chegando até a bucetinha que estava toda molhada, melada, inchada. Nossa, só de lembrar fico louco. O shortinho ainda estava de lado deixando todo a material de fora, não resisti caí de boca, comecei beijando bem devagar, beijava com enorme vontade, hora mordia seu lábios, hora chupava-os, algumas vezes passava a ponta da língua, isso só pra deixá-la excitada, – ela dizia bem baixinho num som quase inaudível: Hum! Que delícia, você está me deixando louca de tesão, hum; hum; se continuar assim vou gozar rapidinho, nossa, que loucura, nunca fiz isso antes, mas você me surpreendeu… que tesão, haaaa… não demorou muito e ela gozou novamente, senti o seu gozo quentinho na minha boca, hum que delícia… ela gemia muito gostoso, me deixando tarado com esse gemido.

Então, passou um pouquinho e comecei a meter meu pau dentro daquela bucetinha gostosa. Ela estava se acabando de tanto tesão e gozou mais uma vez na minha pica. Eu, pelo medo de ser pego pelo marido dela, coloquei mais intensidade e depois de 10 minutos gozei dentro da bucetinha dela. Devido ao risco na hora do sexo, foi uma das melhores transas que tive. E após alguns dias marcamos de foder de novo e ficamos nessa até hoje. O marido dela nunca desconfiou que sempre como aquela bucetinha raspada rsrs

Outros contos...

Comentários (1)

marcelo.castrosp.mc em 28/07/2021

Vale uma boa punheta. Parabéns

Somente assinantes podem deixar comentários!

Assine ou faça login para poder comentar.
21
Atrações
149
HQs
586
Vídeos
5099
Fotos
155
Atrizes
...