Quando Eu vou Gozar?

Tenho quarenta e três anos, sou casada há mais de quinze e meu marido é muito carinhoso, mas passamos seis meses sem sexo e isso pra mim foi o fundamental pra eu agir. Eu estava com a autoestima toda ferrada e Mauro, meu marido, nunca me destratou, mas ao mesmo tempo parecia não estar mais interessado em mim e as coisas estavam mudando bastante e ele praticamente não tinha ereções se eu não tocasse seu cuzinho enquanto chupava o caralho. Sem problemas, eu gostava de dedinhos também, mas ele não pensava mais no que eu gostava e isso foi me matando.
Eu estava passando roupa e estava trinta e cinco graus na rua quando o filho de uma vizinha bateu na minha porta vendendo brigadeiros gelados. Sozinha em casa, eu usava uns vestidos e sem sutiã minhas tetas ficavam soltas, era muito mais agradável e quando ia receber alguém eu colocava o sutiã, mas com o ferro quente, acabei me distraindo e abri a porta com o decote mesmo. O garoto tinha dezenove anos e vendia brigadeiros pra pagar a faculdade, suado, pedi pra ele entrar e esperar enquanto eu ia pegar a carteira e quando fui pagar, derrubei o dinheiro e a carteira no chão e instintivamente me abaixei para juntar e quando voltei o garoto estava de boca aberta olhando os meus peitos pendurados. Fazia tempo que não via tanto desejo. Disse pra ele sentar no sofá e fui pegar uma água gelada para ele. Ajeitei meu decote, deixando mais generoso, não sei bem porque, puxei a calcinha deixando mais fininha no rabo e levei dois copos até a sala. Tiago, que eu conhecia desde que nasceu, tomou o copo d’água rápido e eu quando fui tomar o meu, derrubei sem querer um pouco que escorreu pra dentro do decote e com o geladinho, os bicos das tetas marcaram bem o vestido e ele mal conseguia disfarçar. Eu pedi a ele o seu número do whats pra encomendar alguns para quando a minha irmã fosse visitar, o que era mentira, eu só queria saber quando ele chegaria pra eu tentar novamente brincar de deixar o garoto excitado. Depois de adicionar o número, o garoto foi embora. Eu larguei a roupa que estava passando e fui até o espelho me olhar. Minhas pernas sempre foram bonitas e estavam praticamente cobertas, eu precisava de um vestido mais curto. Apesar de não ser jovem, tinha a cintura fina a vida inteira, mas os quadris estavam bem mais largos e meus peitos eram grandes, não enormes, mas os homens sempre ficaram loucos com eles.

Naquela noite fui dormir quieta e Mauro, meu marido deitou bem depois de mim e acordei com ele encaixando a pica na minha buceta por trás, a seco e gozou dentro de mim, sem me dar um pingo de prazer.
Já no dia seguinte, logo que Mauro saiu eu perguntei se Tiago teria vinte brigadeiros para entrega e ele disse que levaria as três da tarde. Tomei banho, coloquei um vestido que quase não servia mais em mim, com um grande decote e mais justo do que os soltos que eu preferia usar e apliquei uma maquiagem leve, perfume e no espelho vi um pouco de transparência e meus biquinhos saltados. Eu não pretendia trepar com o garoto, apenas queria ser desejada por ele.
Tiago tocou a campainha e como sempre, pedi pra ele entrar e eu ainda não sabia o que fazer, mas no caminho até a porta, vi o notebook na mesa da sala e pensei em pedir ajuda, mas era um plano confuso. Deixei a água na mesa e sentei ao lado dele no sofá, na mesma mesa ele colocou os brigadeiros e bem mais perto dele, comecei a puxar assunto e a perguntar sobre os planos para a faculdade, se ele estava perto de conseguir o dinheiro e coisas do tipo. Ele ficou nervoso de ter o corpo não perto do meu e perguntei sobre as namoradas, foi quando me senti uma velha. Eu fiz o mesmo que minhas tias faziam comigo quando eu era jovem. Levantei, fui até a cozinha e deixei o decote ainda mais generoso e sentei mais perto dele, que tenso, recuou um pouco e eu disse:
– Quê isso Tiago? Tá fugindo de mim?
– Não, dona Maria, de jeito nenhum.
– Dona Maria é como se chama uma velha. Eu pareço velha pra você?
– É tipo a idade da minha mãe.
Zangada, aproximei bastante meu rosto do dele, que de olhos arregalados resistiu quieto. Aproximei a minha boca da dele e disse:
– Eu pareço tua mãe?
– Não, dona Maria. É até mais bonita.

Apoiei um dos joelhos no sofá, ficando mais alta que ele e deixando o decote na altura do seu rosto e perguntei se ele podia dar uma olhada no meu note, que eu precisava do Skype para falar com minha irmã que mora no exterior e ele respirou fundo, tenso e levantou para olhar o pc. Ele sentou e me abaixei atrás dele, deixando a teta tocar sua nuca ao digitar a senha de entrada e caminhei até o outro lado da mesa onde o note estava e me apoiei com os braços esticados, deixando propositalmente as tetas penduradas o suficiente para serem vistas e ele viu sim, quando eu olhava para o lado, mas eu fiscalizava pelo reflexo do vidro da janela e o garoto olhava bastante e dei vinte minutos daquela vista pra ele. Agradeci a ele e disse que a velha tem dificuldade com essas coisas, esperando que ele dissesse o contrário, mas Tiago disse: eu sei, minha mãe faz isso também, aí fiquei louca.
– Tiago. Se você me acha velha, porque tá de pau duro?
– Que isso Dona Maria?
Levantou e não dava pra negar, nem cobrindo com a mão. Estava excitado. Peguei Tiago pela mão, levei até o sofá e sentei novamente ao seu lado e quando toquei sua perna, fechou os olhos nervoso. Abri seu zíper e puxei o pau pra fora, baixei as alças do meu vestido e coloquei o biquinho da teta na boca dele e bati uma punheta com ele me mamando até que quando ele foi gozar, me abaixei e chupei toda a sua porra. Depois de engolir e lamber os dedos eu disse: quem é velha agora? Cobri os seios e abri a porta, pra ele sair.

Não pedi mais seus brigadeiros, embora não tenha negado quando me ofereceu, mas uma coisa mudou. Naquela noite recebi meu marido de casa limpa, banho tomado e fui a melhor dona de casa possível e quando deitamos para dormir, entrei com a cabeça debaixo dos lençóis e chupei o caralho de Mauro, massageando a entrada de seu cuzinho, como ele gostava.
Quase três semanas depois Tiago me mandou uma mensagem dizendo que tinha preparado brigadeiros especiais e ofereceu pela metade do preço e eu neguei. À tarde, ele bateu na minha porta e eu não estava produzida como da outra vez. Inclusive estava meio desleixada varrendo a casa. Abri a porta, disse pra ele entrar e fiz sentar no sofá e falei:
– Veio sem brigadeiro?
– É, eu vim pra conversar.
Continuei varrendo e disse: então conversa.
– Eu não quis te chamar de velha naquele dia, e agora só consigo pensar no que aconteceu.
– Tiago. Você sabe que tenho quarenta e três anos e sou casada, certo?
– Sim, mas pensei que depois daquele dia, você tivesse algum interesse em mim.
– Tinha, mas acho que você não dá conta.
– Eu dou sim.
Fui varrendo em direção à cozinha e provoquei:
– Olha Tiago, eu te conheço desde sempre, eu gosto de pegada, você é só um garoto.
Senti apenas um vulto passando na sala e Tiago me segurou na cintura, puxou meu corpo encostando no dele e segurou minhas tetas por trás. Deixei a vassoura cair e ele beijou meu pescoço por trás. Tentei dar um passo à frente, mas ele me segurou firme pelos braços e colocou as mãos por dentro do meu vestido, segurando minhas tetas. Apertou um pouco meu pescoço e mordeu minha orelha. Senti seu cacete pulsando atrás de mim, quando baixou as alças do meu vestido, deixando minhas tetas soltas. Tiago me beijou segurando uma das tetas e desceu até chupar ela com muito desejo e enquanto ele brincava, eu acariciava seu cacete.

Caminhei até o sofá e ele veio atrás, tirando a camiseta, com mais atitude do que eu esperava. Quando vi que ele estava se despindo inteiro, soltei o resto do vestido e quase deitada, quase sentada, puxei o garoto pra perto e chupei seu pau, menor e mais fino que o do meu marido, mas no momento, com muito mais vontade. Fiz ele deitar no sofá e montei na sua pica e quiquei um pouco com ele hipnotizado pelas tetas, então sem tirar o cacete de dentro, deitei apoiando as costas no sofá e ele levantou metendo em mim de frente, segurando sempre a mesma teta. Quando ele alisou o meu rosto e procurei o dedo dele e chupei, como se fosse uma pica, Tiago meteu o mais forte conseguia, já cansando e gozou em mim, dentro da buceta. Nos beijamos bastante, mas disse a ele que aquilo nunca mais ia acontecer. Que foi de momento e que eu amava o Mauro. Ele saiu feliz e contrariado.
Coincidência ou não, Mauro chegou mais estressado do que nunca. Naquela noite, quando Mauro entrou no banho, entrei logo em seguida e lambi seu cuzinho ordenhando o caralho, como ele gostava e quando foi gozar, me pegou pelos cabelos e socou o caralho na minha boca, quase me forçando a engolir a porra toda. Eu me perguntava, quem se preocupava quando eu ia gozar?

Outros contos...

Comentários (0)

Somente assinantes podem deixar comentários!

Assine ou faça login para poder comentar.
21
Atrações
131
HQs
139
Atrizes
502
Vídeos
4957
Fotos
...