Se é Proibido, com Certeza é mais Gostoso

Ouça este conto erótico narrado:

Disponível apenas para assinantes! Assine Já

Incesto! Quanto mais proibido, melhor. Só de pensar na possibilidade de comer a xota na qual meu pai mete, fico extremamente excitado! Minha madrasta não é tão bonita, já é uma coroa de 56 anos, mas é extremamente safada. Tudo começou há uns 5 anos atrás. Meu pai é 13 anos mais velho que ela e já não dá mais conta do recado, está brocha por causa do diabetes, foi então que minha madrasta mudou de comportamento comigo. Meu pai trabalha a noite, então a casa é toda minha e da Carla, a minha madrasta. Um dia, acordei assustado com a Carla gritando, fui ver o que era e tinha sido apenas um pesadelo, mas minha madrasta estava muito assustada,  então ela me disse:
– Você pode se deitar aqui comigo, só até eu voltar a dormir?
Eu prontamente respondi que sim, era a grande chance que eu tanto esperava. Me deitei na cama e ela já se posicionou de um modo, para ficar de conchinha comigo. Não teve como segurar e logo estava com o pau duro, encostado na bunda da minha madrasta. Ela logo percebeu, mas não se incomodou e foi roçando no meu cacete duro e aquilo me deixava louco, até que escutei:
– Esta muito frio, para esse negócio ficar assim, melhor aquece-lo.
E foi assim que a safada, puxou sua calcinha de lado e meteu minha rola para dentro de sua buceta, quente e já bem molhadinha.
– Assim não esta bem melhor?
– Claro que sim… Melhor e bem gostoso.

Não perdi tempo e fui socando em sua buceta e a coroa se empinava toda para sentir bem lá no fundo. Falava que minha rola ela grande e isso lhe dava o maior tesão do mundo, já que meu pai não a fodia mais e só queria socar o dedo. Ela gemia de tesão, mexia o quadril com força, para sentir toda a potencia do garotão aqui.  A ideia do incesto é muito, muito excitante!!! Meu pau estava tão duro que parecia uma pedra, estava metendo naquela buceta sagrada, que eu agora estava profanando, nada poderia ser mais excitante! Eu tinha a plena consciência do quão errado era aquilo que estava fazendo, mas isso era a melhor parte! Pois o que importa é o prazer! Apenas isso… O que poderia ser mais excitante do que isso?! Logo depois, coloquei ela de quatro, e ela me disse:
– Come sua madrasta putinha, come, meu enteado cachorrão!!!
Não tive dó nem piedade daquela safada, meti a pica, fazia ela gemer de tesão e aquilo me deixava louco. Ela sabia como rebolar numa pica, e confesso que a visão do seu cuzinho, todo aberto estava me dando loucas ideias. Comecei a passar o dedo em seu cuzinho e deixava ele escorregar para dentro, enquanto eu socava na buceta dela e aquilo parecia que a deixava mais louca. Não falei nada, apenas tirei meu pau melado de sua buceta e fui colocando na portinha do seu rabo delicioso, e ela falou:
-Vai com calma, seu pai nunca comeu meu cuzinho, pois tem nojo, então sou quase uma virgem no cu, mete devagar e depois deixo você comer a vontade.

Não perderia nunca aquela chance de comer o cu da minha própria madrasta! Fui colocando a cabeça, empurrando com calma, ela fazia cara de dor, mas não recuava, na verdade ela ia trazendo o quadril, para a rola entrar mais fundo e quando entrou tudo, a vadia começou a mexer com força e gritava de prazer, acho que os vizinhos acordaram com tanto barulho. Eu não queria saber de nada e metia tudo, naquele cuzinho apertado. Foi uma verdadeira festa de sexo anal, metemos de quatro, depois ela subiu na minha pica e cavalgava com força, ao mesmo tempo que se masturbava, e depois de uma tempo a safada gemeu forte e gozou com o dedo atolado a sua buceta e com minha rola dentro de seu cuzinho. Eu ainda queria mais “poder” e pedi um tempo para me limpar no banheiro. Saí com o pau limpinho e bem cheiroso, foi ai que a coloquei de joelhos e pedi um verdadeiro boquete, daqueles onde a mulher chupa seu pau e ainda fica te olhando nos olhos com cara de putinha safada. Ela chupava com gosto, parecia o doce na boca de uma criança, chupava e me masturbava com muito jeito. Quando falei para ela que iria gozar ela só colocou a língua para fora e deixou meu leite inundar sua boca gulosa, não deixando cair uma gota. Depois ela começou a passar minha porra pelo seu rosto inteiro e para finalizar engoliu tudo sem fazer cara feia.

Pegamos no sono depois, acordamos ao amanhecer e fomos meter novamente. Nessa segunda foda era me pediu para gozar dentro da sua bucetinha e foi maravilhoso, ver a porra escorrer daquele buraco que antes era proibido, mas agora seria meu todas as noites. Tomamos um banho, papai chegou e, eu e Carla descemos para o café matinal. Tomamos nosso café da manhã como uma verdadeira família e meu pai ainda comentou que a Carla estava com um semblante bonito, parecia bem e feliz. Foi impressionante a dissimulação minha e dela! Não sentimos remorso algum! Desde aquele acontecimento, nunca mais ela parou de dar a buceta e o cuzinho para mim, viramos praticamente um casal de amantes que metia toda noite.

Outros contos...

Comentários (0)

Somente assinantes podem deixar comentários!

Assine ou faça login para poder comentar.
21
Atrações
136
HQs
140
Atrizes
511
Vídeos
5027
Fotos
...