Voyeur da Minha Filha

Eu estava perplexo, com as cenas que iam se desenrolando, a poucos metros de distância do local onde eu estava escondido. Carol minha filha tem apenas dezoito anos, sempre eu a vi como uma garotinha muito ingênua, mas ali bem diante dos meus olhos, eu via uma depravada, louca por sexo, ajoelhada a frente do namorado chupando o pau do garoto com um ênfase enorme, o que era mais constrangedor, era que quatro rapazes assistiam o boquete, que ela proporcionava para o namorado.

Sem se importarem com a presença dos amigos, eles estavam na beira da cachoeira e eu escondido entre as folhagens das árvores. Nunca antes eu poderia imaginar que iria ver tal cena na minha vida, para mim ela era ainda uma garotinha ingênua brincando de namorar, vendo ela ajoelhada trajando um sumário biquíni azul, notei como ela crescerá seus cabelos dourados seus olhos castanhos sua pele clara, suas coxas grossas pernas torneadas, seios redondos bojudos distribuídos por um belo corpo bronzeado com talvez mais de um metro e sessenta. Tudo isto eu vislumbrava agora neste instante, pois eu nunca tivera olhos para a enxergar em nenhum momento a libidinagem que despontava nela.

Com uma habilidade espantosa, ela engolia ruidosamente aquela enorme rola até o talo , me deixando pasmo com aquela situação sem nem mesmo acreditar nos meus próprios olhos. Qualquer outro pai, em sã consciência, com certeza iria interromper aquele ato, mas em mim foi como se um demônio dominasse meu corpo, e dissesse dentro da minha mente, isto é lindo poucos pais podem ter este prazer, curta este momento único, curta isto. Então foi que descobri que eu era um pai voyeur desnaturado, que meu pau estava pulsando, admirando algo surreal nunca antes imaginado , no meu íntimo eu parecia ouvir vozes demoníacas gritando nos meus ouvidos, deixe que ela continue, deixe não interrompa você está gostando deixe ela desfrutar desses prazeres carnais .

Ela se despiu completamente, deitado de pernas abertas a frente dele sobre a relva, parecia estar em êxtase, murmurando com os olhos semicerrados, vem, vem me fode mete vem mete come , come . As duas pernas como um vê invertido estavam apoiadas pelos calcanhares no chão sua buceta piscava se contraindo abrindo e fechando igual uma égua no cio e seus líquidos espumava formando borbulhas na entrada da sua gruta , quando ele se posicionou, ela gemeu chorosa antevendo a penetração, ele pincelou a cabeça do pau na sua racha, e foi invadindo suas entranhas, os líquidos que escorriam da sua vulva, iam facilitando a entrada do pau enorme que ele tinha, logo ele estava todo dentro dela, ela sentiu os pentelhos ásperos dele se enroscar com os seus que eram ralos ainda , e os outros rapazes desfrutavam daquele momento entre minha filha e seu namorado.

Deixando somente o pau pulsar dentro dela sem se mexer , ela deu um urro animalesco quando sentiu que ele estava retirando o pau lentamente , deixando um vazio dentro dela e somente quando a bucetinha dela ficou mamando na cabeça da rola, igual uma boquinha faminta ele enfiou de uma só vez profundo com força batendo de encontro com seu pélvis, arrancando gemidos chorosos dela que sentia seus orgasmos fluírem por todos os poros do seu corpo, então ele estocou entrando e saindo seguidas vezes num ritmo acelerado que fazia ela gemer igual uma cadela no cio , a cada estocada ela soluçava, misturando as palavras , — soca , soca vem soca fundo vai fundo mete me dá pica me dá me da pau tudo põe tudo põe. Naquele momento seus amigos já estavam com o pau na mão, todos se masturbando

Ela gania igual um animal ferido, às vezes ele se aquietava, para tomar fôlego, ela arqueava o corpo e seus quadris pareciam ter vida própria, ondulando engolindo a pica , ele ficava atolado dentro dela e ordenava. —- Rebola ,rebola no pau vai rebola, mexe , mexe , ela sentia seus orgasmos invadir todo seu ser ,seus gozos viam da alma ela parecia ter convulsões era como se descargas elétricas percorrem seu corpo , seus gritos eram roucos, seus gemidos eram intensos alucinados , ela possessa ria, chorava pedindo pica. Implorando para que ele desse os seus gozos pra ela. — goza, goza meu macho, ela implorava goza dentro vai gozar .

Então ele deu um urro animalesco intensificou seus movimentos como um tarado e meteu forte que dava para ouvir as batidas do cassete entrando e saindo , então somente deixou o pau pulsar dentro dela jorrando sua porra que ela sentia esguichar lotando seu útero até que ele ficou imóvel sobre ela, que desfalecida esticou uma das pernas.

Ele estava ofegante ela toda suada exibia um sorriso de satisfação totalmente saciada pelo prazer que seu macho lhe proporciona , ele rolou de lado cansado pela batalha que travaram , ela ainda sentindo sua vulva pulsar, foi se banhar no lago, havia um silêncio no ar ninguém falava nada dava para sentir a respiração de todos eles. Dois deles constrangidos foram para o lago tentando disfarçar as manchas de esperma nos calções , eu também tinha minha calça manchada pois pelo menos umas três vezes eu gozei me masturbando silenciosamente vendo tal cena , ela veio e se agasalhou em seus braços ele massageava seus seios e apertava os pontudos bicos que estavam tesos , e beijava sua boca avidamente.

Ele lambia o pescoço dela deixando-a toda arrepiada e inquieta, com os olhos fechados ela desfrutava daquela gostosa sensação das carícias dele sobre seu corpo, o que estava a deixando excitada novamente. Os garotos estavam sentados em volta deles demonstrando uma certa ansiedade, ele olhou para eles com um sorriso maroto e falou em alto e bom som , — A Carol vai dá pra vocês também , ela se levantou obediente, puxou um dos rapazes pela mão apalpou o pau dele, e sorridente murmurou … — vem Lucas vem , vem meter em mim, vamos, vou dar para vocês todos venham um de cada vez.

Ali a poucos metros de onde eu me mantinha escondido, presenciei as cenas nunca antes imaginadas, Carol minha filha copulou com aqueles cinco rapazes sendo que um deles era seu namorado, um garoto que praticamente estava todas as noites dentro da minha casa. E que sem nenhum escrúpulo compartilhava ela com seus amigos. Após cada um deles ter fodido ela, um de cada vez , eu não imaginava que ocorreria algo mais, pois todos eles estavam brincando nas águas do lago que se formava ao redor da cachoeira.

Mas me mantive oculto observando aquela menina de cabelos dourados que sorridente se banhava , nas águas límpidas do lago totalmente nua, com um ar de ingenuidade que disfarçava toda volúpia sexual, que seu corpo jovial emanava quando excitada, eu perceberá que estimulada por ele, Carol cometeria qualquer ato, tinha eu certeza que minha filha topava tudo que aquele garoto ordenasse. Eu não estava enganado, após se banharem ela e o namorado voltaram, sentaram à sombra de uma árvore ali bem diante dos meus olhos eu nem me mexia com os ouvidos aguçados para ouvir o que planejavam.

Ele estendeu uma coberta ao pé da árvore, encostou suas costas no tronco e Carol ficou deitada de bruços sobre seu colo, ela passava a mão acariciando, beijando o pau dele. Ele a beijou com sofreguidão e ela gemeu cheia de luxuria, enquanto ele mordiscava sua orelha, colocando dois dedos entre seus lábios, este garoto sabia como a induzir, a dominá-la, -putinha você quer uma D.P foi o que ele disse eu ouvi nitidamente , aquele filho da puta tinha o poder de fazer dela o que bem quisesse, este dia estava sendo fora do comum, cheio de surpresas , pois Carol ficou em pé e gritou para os rapazes que se banhavam.
—EI TURMA , VENHAM SURUBA AGORA TODOS JUNTOS BORA COMEÇAR.

Com um olhar apaixonado, ela o encarou enquanto os rapazes se aproximavam, fitou ele profundamente e disse num murmúrio apaixonado, no cuzinho só você meu amor, só você. Nem acreditei que a minha menina aguentaria aquela enorme rola em seu cuzinho, mas aguentou tudo e ao mesmo tempo levava outras picas dentro de sua buceta, todo mundo gozou muito e foi uma tarde de grandes descobertas para mim e para ela.

Outros contos...

Comentários (0)

Somente assinantes podem deixar comentários!

Assine ou faça login para poder comentar.
21
Atrações
149
HQs
586
Vídeos
5099
Fotos
155
Atrizes
...