A novinha da família

Hoje aconteceu um almoço que reuniu quase todos os meus parentes em um sítio da família. Além dos meus primos, alguns com quem já fiquei, também chegou outros rostos desconhecidos, como o novo namorado da minha madrasta e outros agregados, que logo repararam em mim, a novinha da família. 

Assim que completei 18 aninhos, quase todos os homens da minha família chegaram em mim, claramente, com “segundas intenções”. E hoje, no sítio, a maioria já me “come” com seus olhos safados e com suas imaginações sacanas. 

Mal cheguei no sítio e um marido de uma tia minha veio logo me dar um abraço, com direito a um elogio sacana:

一 Ah, como minha sobrinha está linda e… Uma delícia! – disse ele, sussurrando no meu ouvido.

Mas eu logo fugi dele, pois um priminho meu, que gosto muito, chegou e também sussurrando em meu ouvido disse que estava com saudade de mim. Logo vi o quanto a “saudade” dele por mim aumentava dentro de seu short. Me levando para longe de todo mundo, este meu priminho foi logo beijando a minha boca, mordendo meu lábios e passando a mão em minhas coxas, para depois sussurrar:

一 Você está muito sensual com essa sua saia preta curtinha, a bota de salto que deixa seu bumbum empinado e essa meia preta.

Tivemos que nos afastar porque logo estava escutando o meu nome e não queria ser descoberta com um priminho meu me agarrando de um jeito tão sem vergonha.

No meio de quase todo mundo da minha família, senti olhares que pareciam me deixar nua e apesar de algumas pessoas acharem que eu me incomodava com isso, pelo contrário. Acabo ficando molhadinha com tanta atenção em minha direção. 

Conheci o novo namorado da minha madrasta e nossa! Como o cara é gato! Acho que é o cara mais charmoso de toda a minha família e por mais que seja um “agregado”, logo me senti atraída por ele. É o tipo de homem que deixa a barba crescer sem muitos cuidados, um estilo meio bruto, com uma mão grande e forte, com dedos que devem me deixar em êxtase se entrarem entre em mim. 

Mas também senti ser “raptada” por outro primo meu, mais velho e ainda mais assanhado. Ele me levou para dentro do banheiro e me fez ficar de frente para ele. Com seu “abraço” por trás, ele foi logo me beijando no pescoço e me fazendo sentir seu membro duro na minha bunda e sussurrou em minha orelha, com direito a uma mordida:

一 Você vai fazer mesmo o que me prometeu por mensagens?

Antes que eu conseguisse responder, este meu primo abaixa rapidamente sua calça e esfrega seu pau duro entre as minhas pernas, encaixando bem gostoso em minha boceta, que por “sorte”, a minha calcinha ainda “protegia”. Me pegando pela cintura e roçando aquela “tora” em mim, fui ficando de pernas moles, ainda mais com ele apertando os bicos dos meus peitinhos com força, bem do jeito que eu gosto. A gente só não continuou porque alguém escutou os nossos gemidos e mandou que fôssemos para fora. 

Quem nos “pegou” foi outro tio meu, que logo mandou meu primo para longe, mas me levou para um quarto e fechando a porta com cuidado, pensei que ele me puniria. Bem. Ele me colocou sentada na cama e realmente me disse que me “puniria” caso eu não fizesse o que ele desejava há muito tempo: a de gozar em meu rostinho, olhando para os meus olhos azuis de ingenuidade. Aham. Mal sabe ele o quanto foi bom vê-lo se masturbar na minha frente, me xingando das piores coisas, enquanto eu fazia minha cara de inocente. Sentir aquele gozo como um jato em meu rosto só me fez ficar com mais vontade de putaria. 

Mal saí do quarto e tentei me entregar para o novo namorado da minha madrasta, mas ele fugiu por um triz. Contudo, o primeiro primo que me viu me levou novamente para dentro do quarto e me empurrando para a cama, foi logo rasgando a minha calcinha e literalmente, caindo de boca entre as minhas pernas. Nossa! Como esse primo chupa bem a minha xaninha. Ele lambeu, chupou, sugou e penetrou sua língua dentro de mim até eu não mais aguentar e pedir por rola. Infelizmente ele disse que estava sem camisinha e sem camisinha eu não faço. Mas por ele ter me deixado ainda mais excitada com seu sexo oral, eu dei de “presente” um maravilhoso boquete, finalizando dentro da minha boquinha. 

Eu estava louca para transar e mais uma vez um tio veio para cima de mim, quer dizer, por trás de mim e puxando o meu cabelo, foi me encoxando. Isso aconteceu bem no meio do corredor e aquilo me excitou porque a gente poderia ser visto por qualquer um e fomos! O irmão dele ficou chocado quando o viu roçar sua rola na minha bunda empinada e foi me “ajudar”. Me pegando pelos cabelos, me fez abaixar e engolir sua pica, que estava latejando sem controle. Realmente achei que a gente ia transar ali, mas escutamos vozes de algumas tias minhas e para evitar problemas, cada um foi para um lado. 

Entrei em um quarto onde estava o novo namorado da minha madrasta e fui logo para a cama, ficando de quatro, com direito a empinar o meu bumbum e ficando na mais perfeita posição que os homens amam. Infelizmente a minha madrasta também entrou e por ser meio “tapada”, acreditou que eu estava lá para ajudar o homem a desfazer a mala dele. Ah, se ela tivesse visto a cara de tarado que ele fez para mim…

Um namorado de uma prima minha, após dar um “perdido”, foi me puxando para dentro do mato e disse que me daria qualquer coisa para ele ver e chupar meus peitinhos. Do jeito que ele me olhava, sabia que poderia realmente pedir qualquer coisa e bem, quando eu disse que queria um celular, lá veio ele me entregar seu cartão de crédito e sua senha, levantando a minha blusa, tirando meu sutiã e se deliciando com os meus pequenos seios rosados e de bicos pontudos, que rapidamente ficaram endurecidos com as chupadas. Como ia comprar um dos smartphones mais caras, deixei que aquele safado chupasse minha xaninha e como ele ficou encantado por ela. Disse que havia se apaixonado por minha boceta rosada e carnuda, de sabor viciante. E mais uma vez, antes que rolasse algo a mais, a minha prima quase nos flagrou juntos. 

Na mesa da sala, eu percebi que também fazia parte da “comida”. Todo mundo me olhava com aquela cara de que estava me saboreando e foi complicado para mim, não ficar com vontades…

Fui novamente para o quarto onde a minha madrasta e seu namorada estavam e aproveitei que ela estava tomando banho e sem vergonha alguma, fui tirando a minha roupa bem em frente àquele gato, que pedia para que eu parasse, mesmo colocando seu pênis duro para fora do jeans. Propus uma “rapidinha” e o fiz sentar numa cadeira. Ele estava apenas com sua rola para fora, dura e envergada. Eu sentei e assim que senti aquilo pulsar dentro de mim, fiz o meu melhor. No começo, mesmo meladinha, eu sentia dificuldade com aquela pica dentro de mim. Ele me ajudou com seus dedos incríveis em meu clitóris, os massageando. Sentei, rebolei e cavalguei. Foi uma rapidinha gostosa, com direito a “leitinho” se esparramando em minhas costas e minha bunda. Mas eu queria mais!

Loucamente atravessei o casarão nua e fui para a piscina. O calor em mim estava me derretendo. Antes que eu pudesse entrar, me deitei numa espreguiçadeira. Um primo disse que eu estava louca e veio para cima de mim. Meteu seu pau com vontade dentro de mim, puxando o meu cabelo e falando sacanagens em meu ouvido. Eu pedia por mais e claro, quebramos a espreguiçadeira, mas não paramos. Eu sentia aquilo duro e fundo dentro de mim, aquela brutalidade me preenchendo e apenas sorria de satisfação. O gozo foi absurdamente em grande quantidade e aquilo lambrecou toda a minha bunda. A parte boa foi que meu deixou de pernas bambas que simplesmente rolei para dentro da piscina para relaxar. 

O caseiro nem quis saber. Entrou na piscina de roupa, me “resgatou” e me levou para a sua casa, a fim de fazer tudo o que ele viu o dia inteiro pelas janelas do casarão. 

Outros contos...

Comentários (0)

Somente assinantes podem deixar comentários!

Assine ou faça login para poder comentar.
21
Atrações
149
HQs
599
Vídeos
5085
Fotos
153
Atrizes
...